A questão social – ideias de Robert Castel

            O desemprego que perpassa a realidade atual, numa dimensão macro, em larga escala, demonstra a necessidade do emprego formal, assalariado, para a sociedade. Em tempos anteriores, esta condição de assalariado não era bem vista, já que significava que o trabalhador nada mais tinha a realizar, a não ser se submeter ao enquadramento da troca descompensada de sua força de trabalho. Esta compreensão histórica da pertinência do trabalho assalariado para a sociedade é fundamental na compreensão do paradigma atual.

            O trabalho representa o movimento de pertencimento, de integração do trabalhador à sociedade. Os longos períodos de desemprego, a submissão a políticas de renda mínima para recebimento de proteções, trabalhos informais que não são momentâneos, pelo contrário, muitas vezes o trabalhador se mantém, a vida inteira, nestas condições, são demonstrações claras da questão social hoje. Isto demonstra a chamada exclusão social, “invalidação” social. O autor aponta estas configurações como “zonas”, espaços hipotéticos, para conseguir obter uma visão panorâmica da questão social.

            A palavra “metamorfose” foi escolhida pelo autor como uma “metáfora”, na tentativa de ilustrar o desenrolar da questão social: numa metamorfose as certezas não são permanentes, estáveis. Seqüência que ao mesmo tempo demonstra mudança, transformação, também pode apresentar fragilidades, dúvidas, trilhar de novos caminhos a respeito destas manifestações.

            Duas dimensões históricas são consideradas no que diz respeito à integração do trabalhador na sociedade: a) dimensão “reformista” – no sentido de “reforma”, que valida um posicionamento de mudança de perfil, de diretrizes sobre a política de salários, nova forma, nova visão, renovação do conceito de trabalho; b) dimensão “revolucionária” – mudança da “estrutura social” a fim de equalizar oportunidades oferecidas a todos, inovação.

            O desafio contemporâneo pauta-se na problemática de aceitação de uma sociedade que se submete às exigências do mercado, das tendências econômicas, do capital, ou a constituição de um Estado Social que atenda as necessidades do tempo presente.

Fichamento da introdução do livro:

CASTEL. Robert. As metamorfoses da questão social: uma crônica do trabalho. Tradução de Iraci D. Poleti. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

Anúncios
Esse post foi publicado em Práticas pedagógicas docentes e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

3 respostas para A questão social – ideias de Robert Castel

  1. Boa tarde,gostaria de receber mais material sobre os teoricos mais conhecidos,pois vou estudar p/ concurso.

    Obrigado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s