Características da CNV Comunicação Não Violenta (Parte I)

“O pensamento baseado em quem merece o quê bloqueia a comunicação compassiva”[1]

Rosenberg apresenta em seu livro, pesquisas de outros autores que sustentam a relação entre expressões de julgamento entre as pessoas e a incidência do uso da violência, pelo fato de emergir a vulnerabilidade em que estejam inseridas. Aponta, então, que a primeira transposição necessária para efetivação da CNV é o deslocamento do juízo de valor, da crítica, da comparação, para a empatia.

Empatia

O primeiro conceito chave da CNV é a empatia. Ela trata da compreensão emocional da situação da vivência de outra pessoa. É como ouvir uma recomendação de nossas avós e mães, de maneira plena: – “Se coloque no lugar dos outros e perceba como se sente” … Para que essa constituição empática indique proximidade ao sentimento legítimo da pessoa que nos relata alguma situação, segundo Rosenberg, é necessário possibilitar que nossa “compaixão natural floresça”[2], alcançada com a habilidade de enxergar a realidade a partir dos olhos do outro.

Acolhimento

A empatia proporcionará o acolhimento a demanda do outro, o que significa real sensibilidade ao seu sentimento: receber, sem críticas, comparações, e ainda, juízos de valor, já que estes estimulam expressões agressivas.

Compaixão

Com a empatia e o acolhimento interiorizados, a compaixão se configurará como sinônimo de “sentir junto de alguém”, respeitar e reconhecer suas necessidades, não mais com o tradicional conceito de pena, piedade, dó, que usualmente é utilizado pelas pessoas. É o movimento que proporcionará a conexão, a ligação com a outra pessoa.


[1] ROSENBERG, 2006, p. 46.

[2] ROSENBERG, 2006, p. 32.

Sobre walkiriaroque

Adolescente em conflito com a lei (Socioeducação), especialista em Psicopedagogia e graduação em Pedagogia. Cursou o PROFA - Programa de Formação de Professores Alfabetizadores e ainda o Magistério, no CEFAM - período integral. Atua na área da Educação há 24 anos. Tem experiência no Ensino Fundamental desde 1999, como Docente, Diretora, Coordenadora Pedagógica e Supervisora de Ensino. No Ensino Superior, atua desde 2005, na Graduação e Pós-graduação, como Docente, Coordenadora de Curso, Supervisora de estágios e Diretora geral de Unidade. Foi membro do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA) de Taboão da Serra / SP, representante governamental da Educação, no período de 2013 a 2015. Desde julho de 2018, faz parte do Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - BASis, na área de Cursos de Graduação do SINAES. Atualmente é Coordenadora Pedagógica no IBFC e cursa a Pós-Graduação Conciliação e Mediação de Conflitos. Principais habilidades: gerenciamento de conflitos, liderança, capacidade para lidar com prazos e metas, postura adequada, comprometimento com resultados.
Esse post foi publicado em Práticas pedagógicas docentes e marcado , , , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s